Big Sean se abre sobre sua depressão

Talvez você goste:

Big Sean recentemente se pronunciou sobre Pull Up, de Joe Budden, marcando sua primeira entrevista importante desde um hiato auto-imposto tanto da música quanto da mídia.

“Estou nervoso para sentar e conversar, não faço isso há anos”, admite Big Sean, nos momentos iniciais da conversa. Seus fãs estão cientes de que o hiato do rapper de Detroit se estendeu à música, deixando alguns se perguntando se tudo estava bem nos bastidores. “Eu não me sentia como eu”, explica Sean. “Tenho certeza de que muitas pessoas passam por isso, estou fazendo rap desde os onze anos. Percebi que não mais.”

“Eu estava pensando que era uma paixão pela música, mas quando comecei a trabalhar na música, percebi que não era para isso”, explica Sean. “Eu não tinha mais a paixão pela vida. Eu não estava tirando um tempo para me divertir, viver. Eu escrevo todas as minhas coisas. Tenho pessoas me mandando discos. Eu tenho que pensar nisso. É difícil pensar nisso quando todas as suas experiências são as mesmas – basicamente, como você senta no estúdio, faz um show, faz isso, faz aquilo. Não tive tempo para viver a vida entre esses momentos e o equilíbrio me alcançou.”

- Publicidade -

“Eu não tive escolha”, continua ele. “Por que eu iria querer me afastar de algo que tem sido o meu sonho? Percebi que tinha que me cuidar primeiro.” Ele diz que atingir 30 anos de idade foi um grande ponto de virada para ele. “Acordei todos os dias e superei a vida. Literalmente. Acabei de me mudar para a casa antiga de Slash, do Guns N Roses. Esta é a casa dos meus sonhos. Passei um ano reformando. A questão é que entrei lá e me senti muito mal. Este é um exemplo claro de como eu consegui uma das coisas que eu sempre quis e que não afetou o modo como estou me sentindo”.

“Foi assustador porque eu também tinha uma arma”, revela Sean. Quando Budden pergunta por que ele precisava de uma arma naquele momento de sua carreira, Sean responde: “Porque as pessoas são loucas. Você tem que se proteger. Eu olhei para ela não apenas como proteção, mas eu gosto de ir para o alcance das armas. Às vezes é terapêutico. Meu relacionamento na época com minha família estava completamente desconectado”. Ele admite dizer à mãe que queria uma certa distância dela, uma decisão que o surpreendeu. Por fim, ele voltou para a terapia.

- Publicidade -

Ultimas notíciais

Emicida diz que não comparecerá no protesto de domingo na Avenida Paulista e explica o motivo

Emicida foi até seu Instagram na sexta-feira (05), e em seu stories ele informou o motivo dele não comparecer...

Swae Lee faz cover de ‘I’ll Be Missing You’ do Puff Daddy

Depois de uma semana de protestos do Black Lives Matter em todo os EUA, Swae Lee compartilhou o cover de ''I'll Be Missing You''...

‘3 Brothers’: curta de Spike Lee que envolve morte de Eric Garner e George Floyd

O premiado cineasta Spike Lee lançou um novo curta chamado ''3 Brothers'', que vincula as mortes de Eric Garner e George Floyd ao seu personagem...

Lil Baby fala sobre brutalidade policial em nova música

Lil Baby está usando sua voz para aumentar a conscientização. Após dias de protestos em todo o país após a morte de George Floyd por...

Portal R7 publica analise falando que “Nem todas vidas negras importam”

Na última quinta-feira (04), Patricia Lages publicou uma análise para o portal R7 da Record fazendo uma crítica a onda de protestos e comoção...

Leia também: